domingo, 29 de abril de 2007

Museu da Língua Portuguesa

Antes de mais nada é um lugar sensacional!!! É impossível não se apaixonar... tudo impressiona. Eu ainda não tinha ido e hoje por insistência da Belinha fomos ver a exposição da Clarice Lispector e passear pelos incríveis aromas da Flor do Lácio, inculta e bela....
A exposição da Clarice tem o cenário de Daniela Thomas e a idéia de colocar os objetos expostos em um grande armário de gavetas é brilhante... você vai abrindo gavetas e descobrindo Clarice... não tem outro jeito. O painel do segundo andar é impressionante... É um museu divertido, interativo, na Estação da Luz... Como diz a Belinha é um programa BBB (bom, bonito e barato...). Vale muito a pena...
Um pouco de Clarice nunca é demais...
"Se o brilho das estrelas dói em mim, se é possível essa comunicação distante, é que alguma coisa quase semelhante a uma estrela tremula dentro de mim...""Analiso instante por instante, percebo o núcleo de cada coisa feita de tempo ou de espaço. Possuir cada momento, ligar a consciência a eles, como pequenos filamentos quase imperceptíveis mas fortes. É a vida? Mesmo assim, ela me escaparia. Outro modo de captá-la seria viver. Mas o sonho é mais completo que a realidade, esta me afoga na insconsciência. O que importa afinal: viver ou saber que se está vivendo? Palavras muito puras, gotas de cristal. Sinto a forma brilhante e úmida debatendo-se dentro de mim. Mas onde está o que quero dizer? Inspirai-me, eu tenho quase tudo; eu tenho o contorno à espera da essência, é isso? O que deve fazer alguém que não sabe o que fazer de si?" "Tudo o que é forma de vida procuro afastar. Tento isolar-me para encontrar a vida em si mesma. No entanto apoio-me demais no jogo que distrai e consola e quando dele me afasto, encontro-me bruscamente sem amparo. No momento em que fecho a porta atrás de mim, instantaneamente me desprendo das coisas..." ((trechos de "Perto do Coração Selvagem - Clarisse Lispector))

sábado, 28 de abril de 2007

Ao universo...

Bandeira - Zeca Baleiro
Eu não quero ver você cuspindo ódio
Eu não quero ver você fumando ópio para sarar a dor
Eu não quero ver você chorar veneno
Não quero beber o teu café pequeno
Eu não quero isso seja lá o que isso for
Eu não quero aquele
Eu Não quero aquilo
Peixe na boca do crocodilo
Braço da Vênus de Milo acenando tchau
Não quero medir a altura do tombo
Nem passar agosto esperando setembro, se bem me lembro
O melhor futuro este hoje escuro
O maior desejo da boca é o beijo
Eu não quero ter o Tejo escorrendo das mãos
Quero a Guanabara, quero o Rio Nilo
Quero tudo, ter estrela, flor, estilo
Tua língua em meu mamilo água e sal
Nada tenho vez em quando tudo
Tudo quero mais ou menos quanto
Vida vida noves fora zero
Quero viver, quero ouvir, quero ver
(Se é assim quero sim, acho que vim pra te ver)

sexta-feira, 27 de abril de 2007

History Channel...

Sou uma mulher de muitas paixões... para alguns isto significa que eu não presto mesmo... não vou discutir. Mas umas das minhas paixões é história... mais precisamente história antiga... Adoro tudo sobre Grécia e Roma... acho que a base do ser humano e a sua evolução estão nesta fase da história... Por isto eu adoro o History Channel... até eu fico com raiva de vez em quando... eles contam a história do parafuso e também de Spartacus... Aliás ontem o National Geografics mostrou um documentário sobre os Gladiadores... sensacional!! Spartacus foi o mais famoso Gladiador...o homem que comandou a primeira revolta dos escravos contra o império romano. Sabia que as lutas até a morte entre os Gladioares foram o primeiro registro de uma indústria organizada de entretenimento... Que empregava milhares de pessoas e atraia, por exibição, um público pagante em torno de cinquenta mil pessoas?? Nós somos muito bárbaros.. Mas o History Channel é uma overdose de conhecimento geral... Vc sabia que os pilotos da Nascar, Stock Car, começaram com os bandidos que entregavam bebidas na época da lei seca nos Estados Unidos? Sabia que o Absinto, a bebida Fada-verde, não era nada alucinogena e tóxica... pelo menos o Absinto de qualidade, tudo isto não passou de uma intriga dos produtores de vinho que viram o Absinto se tornar a bebida oficial da França... Para evitar isto transformaram a Fada Verde no monstro verde do lago Ness... conhecimento que não muda a sua vida... mas diverte.

Alguém me explica??

Já tem um tempo que eu quero entender o "reclame" do Campari... Na primeira cena a gente vê duas gostosas... uma de preto e a outra de branco. Aí na outra cena aparece o gostosão, namorado da gostosa... aí mais duas mulheres, tipo "dress to kill" também de branco entram em cena e o gostosão fica em dúvida... aí a amiga da primeira gostosa resolve dar uma força na história e pega um copo de Campari e joga no vestido branco da amiga... que com efeito de computação fica vermelho... e aí vem o slogan... Campari, só ele é assim... Só mesmo isso eu nem vou discutir... pra mim Campari deveria ser remédio contra prisão de ventre... Aí eu quero saber... se vc jogar Campari na amiga ela vai ficar com o gostosão porque os homens gostam das mulheres de vermelho?? Ou mulheres vestidas de branco não tão com nada? Ou beber Campari é uma merda, bom mesmo é jogar o líquido vermelho, feito de losna o mesmo ingrediente do Gelol, nos outros... Ah já sei é isto... não beba... jogue na roupa do amigo... Não entendo... Que coisa mais besta... não passa mensagem nenhuma...

Arrependimento

Se tem uma coisa na vida da qual eu me arrependo é de não ter sido surfista... eu até tentei....mas putz... não rolou. Deveria ter insistido mais, lutado mais por isso. Eu acho que não ser surfista é a minha maior frustação... Passar o dia na praia, esperando onda, dentro do mar... não consigo pensar em vida melhor. Aliás eu não consigo pensar em profissão melhor do que esta... Pra falar a verdade é que estou com saudade da praia... quando fico muito tempo longe do mar, começo a ficar nervosa... só penso nisto... Aí chego a conclusão que se eu fosse surfista estaria agora, neste exato momento no escritório... em reunião com os peixinhos, no telefone com Deus e minha Mãe, esperando onda, dropando, descansando em cima da prancha... tomando sol ou chuva... Pois eh... como diz Julio Barreto, Tá com saudade da praia, né nego!! Tô morrendo... sou daquelas pessoas que chega na praia as oito da manhã e vai embora as oito da noite... fico na praia com sol, com chuva, nublado, com frio... Eu fico na praia... gosto de ler na praia, dormir na praia (a melhro coisa do mundo), fazer tudo na praia... tudo mesmo (até aquilo)... Tomar cerveja, jogar conversa fora, sentir a brisa do mar... o som das ondas quebrando... afundar o pé na areia....

quarta-feira, 25 de abril de 2007

Fique bem

((eu já publiquei este texto no blog velho... mas acho que vem bem a calhar))

Há muito tempo tenho mania de me despedir das pessoas e falar "fique bem". Tem gente que tira sarro da minha cara e tem gente que incorpora a frase ao seu dia-a-dia... Passei a fazer isso sem querer e agora é de propósito. Sempre que posso, eu falo "fique bem". Falo para a minha filha, para os meus amigos, para a minha família... Qual é a razão disso? Com o tempo fui percebendo que era uma forma de chamar a atenção para si mesmo... Fique bem é um recado, em que transfere para o outro a sua responsabilidade com a necessidade de ficar bem. Cada um tem a sua força, e todo problema por maior que seja não o impede de ficar bem. É muito além de um desejo - porque ao falar isso eu desejo do fundo do coração que a pessoa se mantenha bem - Isso não quer dizer que ela saia dando pulos de alegria compulsiva, ou rindo feito um idiota. Não, as vezes mesmo no sofrimento a gente consegue manter o equilibrio... É também uma forma de transmitir carinho, atenção e de participar do cotidiano das pessoas com uma simples frase. A frase também faz você pensar no seu dia, nas coisas que fez até aquele instante e no que pode fazer para diminuir o nervoso, aproveitar o ócio, não ir além do que o momento oferece - adianta enfiar a mão na buzina com a Marginal engarrafada? Ficar bem é a mesma coisa que dizer para si mesmo: vai dar tudo certo. Fique bem estabelece o seu limite no dia, uma hora eu vou me sentir como eu realmente deveria e agora eu estou bem, porque tenho controle sobre essa possibilidade. Dá para entender o sentido?? Então como sempre, fiquem bem!!! Sempre.

segunda-feira, 23 de abril de 2007

Hoje é dia de São Jorge


Santo das lutas, vencedor de demandas... com seu exército branco vai lutar por mim!!!


Salve Jorge!!!

Jorge sentou praça na cavalaria
e eu estou feliz porque eu tambem sou da sua companhia
eu estou vestido com as roupas e as armas de jorge
para que meus inimigos tenham mãos ,nao me toquem
para que meus inimigos tenham pes e nao me alcancem
para que meus inimigos tenham olhos e nao me vejam
e nem mesmo um pensamento eles possam ter para me fazerem mal
armas de fogo,meu corpo nao alcançará
espadas, facas e lanças se quebrem,
sem o meu corpo tocar
cordas,correntes se arrebentem,
sem o meu corpo amarrar
pois eu estou vestido com as roupas e as armas de jorge
jorge eh de capadocia, viva jorge
jorge eh de capadocia, salve jorge
perseverança, ganhou do sórdido fingimento
e disso tudo nasceu o amor
perseverança,ganhou do sórdido fingimento
e disso tudo nasceu o amor
ogam toca pra ogum
ogam toca pra ogum
ogam,ogam toca pra ogum
jorge eh da capadocia

Playlist

Bom já deve ter dado para perceber que escuto muito música... eu não só escuto, como leio a respeito, tendo entender, quero saber, escrevo a respeito... o máximo de informação que posso vou atrás. Sou uma pessoa que tem problemas de espaço no computador por causa de música... Vivo num constante dilema com o meu itunes... e vira e mexe ele sofre um processo, do qual não sei explicar, de profunda desorganização... Aí como toda boa ariana, acho melhor apagar tudo, remover o programa, instalar de novo e reorganizar novamente a biblioteca... Mas imagine fazer isso com megas e megas de música... Não é uma coisa rápida... Ontem eu terminei a organização... fiquei muito feliz e orgulhosa da minha pessoa. Agora minhas músicas estão divididas por tipos... MPB, Jazz, Blues, Rock... etc.... Mas para o Itunes ainda tem as famosas playlists... fora as normais de dar o nome do cantor ou estilo à pasta... eu gosto de classificar por situações... mas nunca chego num consenso... De qualquer forma vão aí algumas sugestões...
- Ainda não cortei os pulsos - o hit parede da super fossa. Pode ter variações nacionais, internacionais, antigas e novas...
- Cortei os pulsos - além de sofrer, são músicas que vc escuta chorando... eu sugiro que o número de músicas nunca passe de dez pode ser perigoso
- Faxina - além da óbvia "Lava roupa todo dia" eu pego pesado na seleção... e o que me inspira mesmo é a trilha sonora de Pulp Fiction... um e dois... Gosto de pensar em Um Thurman de macacão amarelo e toda a sua fúria enquanto lavo a louça...
- D.R. - música para discutir a relação - sugiro instrumental.... qualquer coisa a mais para se dizer numa hora desta pode depor contra.
- Sou feliz - aquelas músicas que vc adora dançar pela casa certa de que não tem ninguém olhando... eu fecho as cortinas por via das dúvidas...
- To com saudade da praia - seleção de músicas que me fazem lembrar da boa vida a beira a mar
- Queijo, vinho e sexo - bom... não vale Champanhe a brindar um encontro... mas musiquinhas boas para... queijo, vinho e sexo... não necessariamente nesta ordem
- To lendo - o meu cérebro funciona em mono, por isso só música instrumental... aliás adoro ler enquanto escuto música, ou vice-versa.
- A história da minha vida - só velharia... só velharia...
- Tenho vergonha de gostar - putz tenho cada coisa que tenho até vergonha de falar...
- Aquele idiota - nem preciso dizer...
- Música de fogueira - eu realmente deveria apagar isso... tá me irritando.
- Exclusivas - coisas que só eu tenho não sei como consegui e rap africano é realmente uma coisa que vc só ouve uma vez... por exemplo... esta pasta vai logo, logo para a lixeira.

Bom tem outras... to mudando, acho que vou abandonar este critério de seleção... é por isto que fica confuso... é um entra e sai de uma playlist para outra... por isto primeiro fiz com o nome dos artistas e bandas e depois esta besteirada...

domingo, 22 de abril de 2007

Mais poesia...

Esta é minha...gosto muito deste poema... fiz com muito carinho e sentimento. Demorou também. É antigo... está nos meus velhos cadernos.

Sempre um navegante

Até o fim
Onde o mar acaba
Minha coragem ainda pede
por mais um tormento
Flutuo no barulho oceânico
da lembrança que ficou em mim
Brisa calma, noites azúis...

O vento que conheceu minha alma
Dá voltas na minha tristeza
Caminho, não mais navego, nas terras secas

Tenho saudades daqueles dias...
todos aqueles que vi,
com um pouco de alegria,
eu mesma.

Fernando Pessoa para Walt Whitman

E se é possível se apropriar de tão poderosas palavras... faço de Pessoa, mais precisamente seu heterônimo Álvaro de Campos, as minhas palavras. Estou lendo Folhas de Relva, o texto integral da mais importante obra do poeta americano, mas também o poeta do Eu, da vida, dos amores... o poeta místico... Whitman é o poeta eterno, que fala e te toca... cria um Universo onde é possível viver, não sem tormento, todos os sentimentos do homem...
"Não posso ler teus versos a fio... Há ali sentir demais (...)
E cheira-me a suor, a óleos, a atividade humana e mecânica.
Nos teus versos, a certa altura não sei se leio ou se vivo,
Não sei se o meu lugar real é o mundo ou nos teus versos,
Não sei se estou aqui, de pé sobre a terra natural."

Miss Sunshine

Sei que muita gente já viu este filme, só pude ver neste final de semana e devo dizer que amei.... Que filme legal, engraçado, inteligente, muito bem escrito... Não é tão bem filmado... mas é muito bem escrito. Não entendi o Oscar para o avô... ele faz um papel importante mas não sei se merecia tanto... acho que foi mais para tapar um buraco de falta de reconhecimento da acadameia com Alan Arkain... Vai saber. Uma família desajustada, mas cheia de amor... capaz de dar apoio as mais incríveis decisões... uma viagem de Kombi pelos EUA e por cada um dos personagens... O filme é realmente muito bom. O final é senacional... vc não espera aquilo e fica impressionado com a capacidade de inocência das pessoas e das crianças... O mal é aquele que o homem vê, interpreta e julga... Vale muito a pena. Na minha maratona de filme ainda vi "A fonte da vida"... putz... confuso, até agora não entendi nada do filme e pra te falar a verdade achei bem chato. Delete total "Um cara quase perfeito" com Ben Alefeck... filme de boas intenções e péssima realização... chega uma hora que cansa.

Dogs in the yard

((música da trilha sonora do filme "Fame"))
I want to be bad
And not even care
I want to go out of my head somewhere
I want run crazy
Like the dogs in the yard
I want to cut the rope
But it's getting so much harder
I think I'll play poker
Stay out every night
Throw stones at the water
In the morning light
I want to be lazy like the dogs in the yard
Why can't I fly tonight?
Why can't I sleep all morning?
I'm going out of my mind tonight
That's where I'm going
That's where I'm going
Gonna have a good time
Before it's too late
Come on, baby, let's go uptown and celebrate
Gonna celebrate!
We're gonna run crazy
Like the dogs in the yard
We're gonna fly tonight
We're gonna sleep all morning
We're going out of our minds tonight
That's where we're going
That's where we're going

sexta-feira, 20 de abril de 2007

Coisas boas para se fazer me Sampa quando se está vivo..

Pra mim esta história começou no blog da Ana, mas ela começou de um outro blog, que por sua vez foi de outro... A idéia é criar uma rede de pessoas que contem 5 coisas legais de se fazer na sua cidade de origem... então depois de muito pensar... resolvi listar as cinco coisas que mais gosto de fazer em sampa...

1 - Dirigir na Marginal de Madrugada:
Adoro fazer isto... quase sempre quando estou voltando para casa de madrugada e estou bem... vou de ponta a ponta das Marginais escutando música no último volume e dirigindo... nada de correr. Apenas pensar. É como estar numa estrada só que dentro da cidade... Sei que é coisa de maluco, mas eu gosto.

2 - Padarias em todos os bairros e variadas
Não existe em nenhuma outra cidade do mundo, segundo já me falaram e eu já pude constatar, com padarias iguais as que tem em São Paulo... São verdadeiros templos das coisas boas da vida... Doces, pãezinhos, salgadinhos, sucos, bolinhos, almocinho light, sopas... Adoro ler e tomar café de balde... As minhas preferidas são: Julia, perto da minha casa, Angélica (na Angélica), Deola na Pompéia e a Leticia perto da casa da Dê...

3 - Sexta-feira crazy...
O bom de morar numa cidade como São Paulo é poder fazer várias coisas diferentes ao mesmo tempo na mesma noite. É bom começar tomando uma cerveja tipo happy hour em algum boteco da Augusta... sair de lá já bem tarde e entrar no Saravejo... Ficar no Saravejo até de manhã cedo. Tomar café na padaria...

4 - Sambacana
Por mais que eu fale mal gosto do Sambacana... é divertido e sempre acabo enfiando o pé na jaca. A balada perfeita é sair do Sambacana completamente maluco é entrar no Love Story, a casa de todas as casas. Recomendo sempre as meninas... Não vá ao banheiro do Love... é trash over plus mega blaster... ainda mais depois de uma certa hora...

5 - Cinema na Paulista
A Paulista é um símbolo da cidade... eu sei... mas ir no cinema na Paulista é muito legal... em todos... Mas principalmente no Reserva Cultural... adoro aquele cinema, adoro o café, a vitrine que vc fica vendo todo mundo passar e principalmente a programação...

Tem outras coisas que amo nesta cidade... aliás eu amo esta cidade, por mais complexa que ela seja. Sou paulistana de coração.

Agora convoco:
Clau

Jana
Rosani
Ellio
Pam
a falarem as coisas que gostam na cidade de Sampa... Beijos.



Esperava mais

Ontem assisti ao filme francês "Amor em 5 tempos". Quando dava aulas, no meu primeiro dia em classe sempre passava uma lista de filmes que considero importantes de ver. Na lista está o filme "Swimming Pool" de François Ozon... Ele tem outros títulos... Mas "Swimming Pool" é um filme intrigante e muito bom... pelo menos eu acho... mas sei que desperto a ira entre os meus alunos depois de assistir ao filme... nem todo mundo gosta. Com esta admiração eu fui de peito aberto assistir ao "Amor em 5 tempo"... Esperava mais... a idéia é boa, contar a hístória de um casal que está se separando de trás pra frente. O filme começa no divórcio... Mas é um filme frio... sem muitas emoções, distante... como se o texto escondesse o que de melhor ainda estava por vir ... Fiquei o tempo todo esperando a hora em que iria ficar tocada com o casal da história... mas não rolou. É um bom filme... mas poderia ser mutio mais. Ficou só na saudade.

quinta-feira, 19 de abril de 2007

Esta é velha mas vem bem a calhar...



Clau roubou de um blog e eu estou roubando do dela. Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão... (não pude resistir)Matei o cupido, mas foi em legítima defesa. (muito bom!!!)


Sabedoria da internet

((bobagens por e.mail que a minha irmã me mandou...))

AVISO IMPORTANTÍSSIMO! O MINISTÉRIO DA SAÚDE ADVERTE :
"ENXUGUE-SE BEM DEPOIS DO BANHO, POIS O MOSQUITO DA DENGUE SE REPRODUZ EM PNEUS MOLHADOS"

quarta-feira, 18 de abril de 2007

A banda sem guitarra



Assim é o trio inglês Keane. Um tecladista muito bom, Tim Rice, um baterista que arrasa, Richard Hughes e o bonitinho, carismático meio maluco e sofredor Tom Chaplin. Ontem eu vi o Credicard Hall ir abaixo ao som de Keane. O público foi contagiado com a felicidade da banda em tocar no Brasil. Realmente eles estavam muito felizes. O show foi demais... quase uma hora e meia. Sucessos do primeiro cd "Hope and Fears" fizeram a galera cantar junto... no hit "Everybody Changing" eu pensei que o chão não ia aguentar... A todo instante Tom "lindo-sofredor-quero-beijar-a-sua-boca" Chaplin agradecia ao público, a São Paulo. Tentava falar em português com o público e assim a cada música conquistava todo mundo.... Eu ganhei os ingressos para o show na rádio Eldorado. Estava trabalhando e ouvi no rádio "os cinco primeiros que ligarem ganham ingressos". Não é que eu ganhei. Liguei e a mocinha da rádio atendeu. Nem acreditei. Foi um dos shows mais animados que já vi... Com momentos muito bonitos. Gosto muito do último CD do Keane "Under the iron sea". Aliás podem falar o que quiser, eu gosto do Keane. Não acho eles parecidos com o Coldplay... são diferentes... apesar de fazerem parte do mesmo movimento, se é que podemos chamar assim, Brithpop. Todos eles vieram da costela do Radiohead... isso eu sei. Mas não pode desmerecer um trabalho e para falar a verdade a fase experimental demais do Radiohead me cansa é legal para falar a respeito, mas muito chato de ficar ouvindo toda hora... O Keane já fez, senão me engano, três discos... Possuem uma legião de fãs pelo mundo afora... O show foi sensacional, as pessoas se envolveram mesmo... A última música do bis foi porque o público não arredava o pé do lugar... e foi preciso acender a luz de serviço do Credicard Hall com a banda ainda no palco, para o povo entender que depois de uma hora e meia o show tinha acabado... Fiquei muito feliz. Fora o mérito deles fazem este sucesso todo, levantarem o público, sem uma guitarra.... é música pop, com formação de jazz, é bem legal. Fui com a minha irmã Nanda e nós duas passamos muito tempo rindo, tentando tirar foto com o meu bonito, mas ordinário celular. Já assisti o Coldplay, o Keane... agora só falta o Radiohead.... Eu não gosto muito de Travis, mas se vier fazer show e eu puder ir vou.

terça-feira, 17 de abril de 2007

Novo disco de Ry Cooder


É impossível não a admirar Ry Cooder, para mim ele era o máximo por causa de uma das trilhas sonoras mais bonitas que o cinema já registrou: Paris, Texas. Aliás este filme é um dos mais bonitos que eu já vi... com certeza está na minha lista top 10. Ry Cooder repetiu a parceria com Win Wenders no brilhante documentário "Buena Vista Social Club" que apresentou para o mundo não só a música cubana, mas o movimento cultural da Ilha. A sua formação e a importância disto para a história musical mundial. Graças ao Buena Vista o mundo pode conhecer Ibrahim Ferrer, Omara Portuondo e o indescritível Company Segundo. Além de muitos outros músicos que vieram no rastro do documentário... Mesmo a música moderna cubana se beneficiou do sucesso do filme... Mas isto é tema de outro post. O tema agora é novo disco de Ry Cooder chamado "My Name is Buddy" fiz questão de colocar a capa do disco porque ela é no mínimo linda... O disco é um estudo do cancioneiro popular americano, a música rural da terra do Tio Sam. Tem um jeito Blues, lembra o Regtime, os primórdios da folk music com o filtro fino, elegante e melódico de Ry Cooder. É um Cd referência, bom e muito bem feito.

segunda-feira, 16 de abril de 2007

Coisas importantes...

O badalado casamento da atriz Liz Hurley e do empresário Arun Nayer pode fazer o casal ir para a cadeia por três anos. Tudo isto porque eles casaram na Índia e desrespeitaram várias leis do pais... Como por exemplo ao invés de sentar no chão, sentaram num sofá durante a cerimônia. O noivo beijou a noiva antes da hora...
Indianos queimam fotos de Richard Gere beijando atriz... mais um desrespeito as leis indianas...
Para mim isto que dá se meter na cultura dos outros...
A ex-apresentadora Doris Geise, sofre um acidente, cai do oitavo andar e é salva por um toldo. Quanto sofrimento para uma pessoa só.
Luana Piovani cortou relações com Caetano Veloso. Quem mandou não fazer a música para ela... Ou ele fez? Ou ele não fez e ela achou que sim? To muito preocupada com o fim dessa amizade...
Segundo notícias, chocolate dá mais prazer do que beijo... ah tá!!!
Todas as notícias sobre o milésimo gol do Romário... estou realmente tocada.
Madona vai adotar mais um filho... Brad e Angelina perderam o apetite sexual e tudo indica que o casamento não vai bem.
Leonardo di Caprio é a mais nova celebridade ativista em prol do meio-ambiente. Ah dizem que a sua namorada uma modelo israelense está grávida... Tomare que eles não casem na Índia... perigoso.

domingo, 15 de abril de 2007

Dia da conservação do solo

Hoje é dia da conservação do solo e também o meu aniversário. Mas o meu presente é bem maior...

Ai, Xangô, Xangô menino
Da fogueira de São João
Quero ser sempre o menino, Xangô
Da fogueira de São João
Céu de estrela sem destino
De beleza sem razão
Tome conta do destino, Xangô
Da beleza e da razão
Viva São JoãoViva o milho verde
Viva São João
Viva o brilho verde
Viva São João
Das matas de Oxóssi
Viva São João
Olha pro céu, meu amor
Veja como ele está lindo
Noite tão fria de junho, Xangô
Canto tanto canto lindo
Fogo, fogo de artifício
Quero ser sempre o menino
As estrelas deste mundo, Xangô
Ai, São João, Xangô Menino
Meu pai São João Batista é Xangô
É o dono do meu destino até o fim
Se um dia me faltar a fé no meu Senhor
Derrube esta pedreira sobre mim.

sexta-feira, 13 de abril de 2007

Novo disco de Erasmo Carlos

É difícil enontrar uma dulpa na história da música brasileira que tenha feito tantos hits quanto Erasmo e Roberto. Botando um pouco de pimenta na polêmica, sempre achei que Erasmo era uma espécie de Cardeal Rechelieu do Rei. A pessoa responsável pela existência do reinado. Ele é inteligente, uma pessoa extremamente gentil. Já tive oportunidade de fazer matérias com ele e é impressionante a sua gentileza. Gosto muito de sua voz e com o tempo ela está ficando melhor. Acho que tem uma melodia e uma certa emoção de quem conta nossos sentimentos com letras realmente bonitas... Erasmo pegou a onda dos duetos, iniciada pela A Voz, Frank Sinatra, imitada por Tony Beneth e pelo próprio Roberto Carlos. O novo disco de Erasmo Carlos é uma releitura de antigos sucesso com participações prá lá de especiais, como Chico Buarque, Marisa Monte, Paula Toller, Milton Nascimento, Skank e até o Zeca Pagodinho... Só faltou o Seu Jorge, que faz parceria com todo mundo...(piada estúpida). O disco é lindo... Chico e Erasmo dá vontade de chorar... Marisa Monte repete a parceria da linda "Mais um na multidão" que eles gravaram juntos para o disco anterior de Erasmo Carlos. Agora a música é um antigo sucesso da Jovem Guarda "Não quero ver você triste". Vale a pena. Um disco para ouvir várias vezes e guardar com carinho.

quarta-feira, 11 de abril de 2007

Coisas boas...

((ainda saudade...))Segundo um ditado judeu, você só pode saber se realmente ama uma pessoa, depois de viajar com ela. Eu e o Pollari viajamos muito juntos... Mas de todas as nossas viagens com certeza NY, NY foi a mais legal... A gente foi parar lá depois de trabalhar igual a uns camelos nas Olimpíadas de Atlanta... Tivemos bons momentos em Atlanta também... mas, não se compara. A nossa chegada á grande maçã foi triunfal... O Pollari tinha um grande amigo manauara, de infância, que nutria uma verdadeira adoração pelo Pollari e sua família. Muito jovem este cara foi morar nos States e na época ele tinha uma empresa de transportes... Como pegar táxi do aeroporto para Manhattam é uma verdadeira fortuna, a melhor pedida é alugar um carro e pagar a metade do preço. Pollari ligou para o seu amigo para combinar um carro que nos levaria até o hotel. Luiz, senão me engano, disse apenas que mandaria um carro azul... Luiz, nos mandou uma limusine azul... com frigobar e uma champanhe... Eu disse que por uma manobra radical com as nossas diárias pagas pela Band e pela SporTV a gente se hospedou num hotel na 5ª Avenida?? Ah pois he... não é todo mundo que chega em NY de limusine e se hospeda na Quinta Avenida... claro que isso só durou dois dias e logo depois a gente se mudou para a pensão da D.Maria na rua 16... O Pollari não tinha muito critério para escolher camisas e só para irritar gostava de usar umas bem esquisitas floridas... Mesmo as pessoas dizendo que ele parecia exilado cubano com saudade da ilha... De terno ele parecia mesmo exilado cubano prestes a ser deportado....não são minhas essas definições. Coisas do Pedro Kutney e de Gilson Ribeiro. Então um dia, com o Pollari vestindo a mais esquisita das camisas azuis existente em todo o planeta Terra saímos andando com o objetivo de achar a Union Square... a praça que se tornou lendária graças ao Lou Reed. Só que a gente se perdeu... muito... e fomos parar no Brookling... mais precisamente no condomínio residencial tipo Cingapura que tem lá... perto de uma quadra de basquete com um monte de negão de cinco metros de altura... Percebendo a nossa cagada... e que não éramos bem vindo no lugar, nos mandamos rapidinho metrô abaixo, com uns caras olhando com ar de cobiça para a máquina fotográfica que ele insistia em carregar no peito. Já falei do chapéu de Indiana Jones? Bom deixa isso pra lá... eu resolvi falar só das coisas boas... Então conseguimos finalmente não pegar o trem expresso e descemos numa estação qualquer, porque estávamos com sede, com fome e cansados. Sentamos num banco de um lugar qualquer e assim só por desencargo de consciência resolvemos perguntar que lugar era aquele. Adivinhe? Union Square... Quase nos matamos de rir... O melhor ainda estava por vir.... loucos por músicas descobrimos uma loja, dessas que aparece em filmes, com uma escadinha bem estreita e pessoas que fizeram figuração no filme Homens de Preto ficavam ali o dia inteiro... Quando entramos na loja parecia que o Paraíso era ali... Disco, muitos discos... caros... a maioria só raridade, rock, blues e jazz eram a preferência do Sam... o dono da loja, que logo logo ficou amigo do Pollari no instante em que eles começaram a discutir o movimento punk. Eu me instalei numa cabine e fiquei lá... ouvindo as gravações raras da Atlantic Rercords... horas, tive muitos orgasmos. O LP, sim LP a loja não tinha cd, que eu queria custava só 150 dólares... Não deu. A gente não comprou nada, mas saímos com um compacto da Billy Hollyday de presente. Já era tarde da noite, sem saber como voltar, famintos, com sede, fome e cansaço. Entramos num bar qualquer, desses que vc pede leite, só para começar a brigar e ficamos lá... Depois, um taxista indiano tentou enganar a gente, o Pollari ficou puto da vida e abandonamos o cara no meio do nada... quer dizer a um quarteirão da pensão da D.Maria... sobre ela eu falo um outro dia. Mexicana, louca, e eu desconfio meio bandida... Um dia também conto das incríveis oito horas dentro do Metropolitan e do dia em que resolvemos que nada mais na nossa vida interessava a não ser a Broadway. A gente não trabalhava mais, e posso dizer que gastamos uma pequena fortuna no teatro... No último dia em NY resolvemos enfiar o pé na jaca e fomos jantar no famoso Bars d´s Arts... um luxo. Na mesa a minha frente estava Robert de Niro e o Pollari não estava carregando a máquina fotográfica no peito... fala a verdade não é motivo para brigar?? Foi divertido....

segunda-feira, 9 de abril de 2007

Axé

"Eu sou da mina do santeiro!!!"

Uma simples saudade

Eu conheci o Pollari em março, em dezembro nós estávamos casados... a princípio parecia uma coisa sem explicação e muita gente falava o que não sabia... Ele era feio, sem grana e vinte anos mais velho do que eu... Eu era bonita, sem grana e vinte anos mais nova... Para quem olhava de fora era um encontro ginecológico...Para nós dois um encontro de almas... Nunca conheci uma pessoa tão inteligente... quem o conheceu sabe do que eu estou falando. Um cara que conheceu praticamente o mundo inteiro, viveu intensamente os anos 60 e 70, tinha como primeira língua o inglês e escrevia de matar qualquer um de inveja... Passavamos horas conversando, discutindo, ouvindo música... Com ele eu descobri os Beatles, James Joyce, a geração beat (mesmo assim eu não gostava), aprendi a beber vinhos e entender de vinho, a saber a beleza de se ler poesia para acalmar a pessoa e de falar sem medo, com intimidade, aprendi a jogar poker... Hoje faz três anos que ele está longe... descansando. Sinto uma simples saudade, que ainda tem raiva, devo admitir, muitas vezes ainda custo acreditar... Choro quando penso. Lamento profundamente. Ainda quero pegar o telefone e falar do filme que acabei de assistir, de perguntar o que achou de qualquer coisa, de brigar com ele por causa da Isabella e as suas manhas sem fim, de pedir um conselho, de contar um problema... Sempre penso que não tive tempo de dizer um monte de coisas, nos últimos três anos de sua vida, éramos amigos, pais de uma menina maravilhosa. Mas eu tinha umas coisas por dizer... que vou guardar comigo e quem sabe um dia eu consigo falar. Não consigo ver suas fotos e não posso ouvir a sua voz nas fitas que temos gravadas... choro. Mas sei que a vida tem as suas razões e que ele enfim está descansando... Tento pensar nas coisas boas... e aí passa um pouco. Volta a ser uma simples saudades... dessas que a gente sabe que não tem cura.

domingo, 8 de abril de 2007

Um dia feliz...

Eu tenho uma certa habilidade em arrumar malas... também depois de tanto tempo viajando, tinha que ser assim. Bom, na minha feliz viagem para Moreré, eu levei pouca roupa e a maioria saia... inclusive uma azul que na minha opinião ela não combina com nenhum outro lugar do mundo, a não ser Moreré na Bahia... E mesmo assim, eu ainda fico em dúvidas... Ela é um tanto quanto justa e ressalta o tamanho da minha bunda... ou seja é punk. Mas numa noite qualquer lá eu resolvi usar a saia azul, uma blusa branca e chinelos... Depois de jantar sai para encontrar os amigos no único boteco local... Muitas pessoas reunidas e na vitrola: forró. Eu adoro dançar forró... Tenho aprendido a dançar a vida inteira... tenho como professor o Edu, que sempre se recusa a dançar comigo, porque ele fala que eu sou muito dura. Ontem no Sambacana, a gente dançou sambarock, outra coisa que adoro e ele me perguntou como eu aprendi a ficar molinha... Agora eu tenho a resposta, foi neste dia em Moreré, da saia azul... Dancei com todo mundo que estava no bar, casado, solteiro, novo, velho, manco, com dente, sem dente, bonito, feio... Dancei, a noite inteira, descalsa... Meu pé ficou em carne viva... Só percebi no dia seguinte... Dancei até o dia clarear... só parando para tomar cerveja e catuaba... Sem contar a lua cheia linda, no céu estrelado, o mar iluminado e a maré baixa, que dava um descanso para os barcos presos na areia. Este foi um dia feliz... Ainda tenho a sensação de rodopiar sem parar, de ser a rainha do forró na Bahia, pelo menos uma vez na vida... ehehe. Um pensamento da Páscoa... renovadora, feliz. Sempre um novo começo, que o tempo não deixa ser inocente, já que precisamos carregar algumas coisas... nem que seja uma rídicula saia azul... Boa semana a todos.

sexta-feira, 6 de abril de 2007

Obrigado por fumar.

Prepare-se para rir muito... Rir da ironia e de um roteiro muito bem construído. "Obrigado por fumar" é um filme de argumento e como se diz no próprio filme: "esta é a beleza do argumento. Se você argumentar corretamente nunca estará errado." Independente do assunto. E o assunto do filme é a indústria do tabaco contada através de seu mais expressivo lobista: Nick Naylor, que antes de tudo tem o dom de falar... Existem momento impagáveis no filme... Como o almoço de toda terça-feira entre os chamados mercadores da morte: o lobista da indústria das armas, a lobista da indústria do álcool e Nick do cigarro. Os diálogos entre eles são senacionais... Nick é especialista em manipulação, que luta para proteger o direito de fumar da nação. Nick sofre um atentado terrorista, na minha opinião muito inteligente e engraçado, mas não vou contar... Ele realmente gosta do que faz e por isso, vc se vê torcendo por ele. E acreditando no que diz referente ao cigarro. O encontro de Nick com o homem do Malboro é bem interessante... O homem que morreu de câncer no pulmão, não gostava de Malboro e sim de Kool...ahahahah. Penso na Denise que fazia comercial para o Extra e comprava as coisas para a filmagem no Carrefour... só para irritar... Rob Lowe faz uma participação interessante como o mega-agente de estrelas de Hollywood... É muito engraçado a idéia de Rob e Nick para promover o cigarro no cinema que não seja por neuróticos, psicopatas e europeus.... Bom vale a pena. É divertida e ao mesmo tempo inteligente.

quarta-feira, 4 de abril de 2007

Como eu me tornei estúpido

Este é o título do livro que estou tentando ler faz um tempo desde que Ana não parava de comentar dele, assim como a Dani também, a Camila e outras pessoas que leram e se apaixonaram por este livro que a primeira vista parece ser uma piada, mas que de verdade é uma análise profunda do que o ser humano se transformou nos últimos anos. Vc ri muito... a parte em que para se livrar da sua inteligência Antonie tenta o alcoolismo é no mínimo genial... muito bom. A história do livro é esta: um homem na busca para se livrar da sua inteligência... Como ele mesmo diz: é uma doença e não existe desintoxicação para tal...
Sem sucesso com o álcool, e sem tendência suícidas... o caminho que Antonie encontra é a estupidez... Estou no começo do processo quando ele anuncia aos amigos a sua decisão. O livro está mexendo profundamente com muitos pensamentos que tive... Já fui discriminada, principalmente na escola, por ser considerada uma pessoa inteligente e eu nem sou tanto assim... Já tiraram muito sarro da minha cara pelo simples fato de estar carregando um livro, coisa que faço sempre. A estupidez é o caminho mais fácil. Menos dolorido, mais aceitável. Trecho do livro, "Como eu me tornei estúpido" de Martin Page. "A estupidez das pessoas não deriva da sua falta de inteligência, mas da sua falta de coragem. Uma coisa que se pode admitir é que, frequentar grandes obras, servir-se do seu próprio espírito, ler livros de gênios não asseguram a ninguém inteligência, mas tornam isso provável. Naturalmente, há pessoas que terão lido Freud, Platão que saberão fazer trocadilhos com os quarks e ver a diferença entre os falcões-peregrinos e um peneireiro, e que todavia, serão rematados imbecis. Não obstante, potencialmente, estando em contato com uma multidão de estímulos e deixando o seu espírito frequentar uma atmosfera enriquecedora, a inteligência encontra terreno favorável para o seu desenvolvimento, exatamente da mesma maneira que uma doença. Pois a inteligência é uma doença".

Um homem e um símbolo...

Não sei se vcs sabem mas está rolando na internet uma pesquisa para eleger o maior brasileiro de todos os tempos... É coisa da Folha eu acho... Pelas parciais da pesquisa, a grande maioria acha Getúlio Vargas, o maior brasileiro de todos os tempos: gosto não se discute se lamenta... E como toda lista, muitas discussões estão sendo travadas para saber qual é o brasileiro digno de ser considerado o maior de todos... Ontem, assistindo ao Jornal Nacional (já deu para perceber que eu gosto de sofrer com o pior da imprensa brasileira), vi uma matéria com a visita de Oscar Niemeyer a inauguração do teatro criado por ele em Niterói... Prestes a completar 100 anos, o arquiteto virou um símbolo. Mais do que o Cristo Redentor, quando alguém desenha o traçado do Congresso, do Palácio do Planalto ou mesmo do Memorial JK, remete à sua obra. Ele virou um símbolo do país... Com seu estilo, com as suas curvas, com suas idéias e principalmente com a sua obra. Quando ele fala, mostra que acredita em seu trabalho, nas suas idéias, no que a vida lhe proporcionou, na sua própria capacidade de vencer desafios e mostrar a sua arte. Com ele a arquitetura ganhou um pouco desse contorno e sei que muitos arquitetos vão dizer que se trata de arte mesmo... Eu voto no Sr.Oscar!!! Voto no homem inteligente, estudado, inovador, a frente do seu tempo e que por incrível que pareça é brasileiro...

terça-feira, 3 de abril de 2007

Birth of the cool

Existe um grande e importante capítulo da história do jazz escrito, reescrito, acrescentado, inventado, reiventado por Miles Davis. É impossível o jazz sem ele. O disco "Birth of thee cool" é o meu queridinho no momento. Dizem as más línguas e eu não posso confirmar, que foi o disco de jazz mais vendido de toda a história . Com este disco Miles inaugurou o Cool Jazz. Uma resposta mais cerebral às viagens alucinadas dos fraseados do bebop (o lado feliz do jazz). O disco foi lançado em 1949. O cool jazz é um estilo mais contido da música, mas não tem nada de frio... muito pelo contrário esse disco é lindo, melódico, sensível e um verdadeiro presente para os ouvidos. Miles era o cara... falem o que quiser. Chet Baker também era um dos nomes expoentes do cool jazz. Mas Chet a gente sabe era outro Motherfucker branco... ehehe Gosto de pensar na citação de Luiz Fernando Verissímo no livro "Banquete com os Deuses": "Segundo Miles, Chet o copiava. Não é exatamente verdade. Chet tocava sem vibrato, como Miles, mas não dava para confundir os dois. O fraseado era diferente. Chet era um grande improvisador, um dos melhores da istória do jazz, mas lhe faltava o que Miles tinha. Pegada, está aí. Musicalmente, não quer dizer nada, mas é a palava exata." Birh of the Cook é um disco com uma pegada sensacional... São 25 músicas... quase oitenta minutos... um viagem melódica, que entra pelo ouvido e desperta todos os sentidos. Além de ser um disco muito romântico...

segunda-feira, 2 de abril de 2007

Revista irritante

Eu já falei algumas vezes sobre a minha opinião sobre a Veja, aquela de circulação interna nos diretórios do PSDB. Mas esta semana ela conseguiu me irritar profundamente... Já tem algum tempo que tenho conversado, falado, estudado e ouvido muito sobre a influência da Física Quântica na nova abordagem de se compreender o mundo. Ok, nem todo mundo precisa concordar e ter a mesma opinião... Mas ridicularizar, transformar em uma coisa idiota é um dom especial que a Veja sempre consegue fazer. A capa desta semana é sobre "O Segredo" ou a Lei da Atração. A revista trata como o maior fenônemo de auto-ajuda dos últimos tempos, que coloca em uma roupagem nova velhos conceitos já tão difundidos. E diz que tudo não passa do poder do pensamento positivo... Ah vá!!! Fala que não conseguiu conversar com a responsável pelo Segredo, porque ela está na sua nova casa em Malibu, escrevendo o Segredo 2. Existe algum problema em ter uma casa em Malibu??? A meu ver, se vc pode e quer é problema seu e não sou eu que vou julgar. O mania que o brasileiro tem de desdenhar do sucesso, da capacidade de cada um em empreender... Claro estamos acostumados ou receber ajuda divina ou do governo. A iniciativa de cada um em prol da sociedade, vc ser bem sucedido, ter grana é pecado... O bom é ter turberculose, morar num porão velho, comer de favor e escrever o romance definitivo que só a redação da Veja vai ler. O segredo é um fenômeno porque faz com que a pessoa tome consciência do seu próprio poder, da sua capacidade de governar a sua vida, de ser feliz, de ter saúde, de influenciar o mundo em que vive. Desde dezembro tenho aplicado o segredo em minha vida... E já consegui muitas, muitas coisas... Mudei muitos conceitos no meu comportamento, nos meus desejos e principalmente na minha forma de encarar a vida. Se isso é rídiculo, como a revista propõe, então prefiro fazer papel de palhaça, mas uma palhaça, feliz, saudável e próspera. Que mal tem em querer isso? A culpa... ah a culpa... o combustível que alimenta a nossa pobreza... É lamentável.