sábado, 21 de agosto de 2010

Alimentando o blog

Eu tenho escrito algumas coisas... umas pagam as contas, outras são porque eu preciso de alguma coisa para me divertir... Então são sobre coisas, basicamente música e cinema. Escrevi para o UIA porque a Ana fica me cobrando e eu funciono muito bem sob pressão... Me sinto feliz. Aqui no Visões eu não tenho ninguém para me cobrar, mandar e.mail de madrugada, fazer chantagem e principalmente me fazer sentir culpada... Então aproveita também para conhecer o site que é bem legal. Principalmente para quem quer sair e precisa de uma boa dica.

Stacey Kent no Brasil

(este texto é eu escrevi para o UIA Diário - http://www.uiadiario.com.br)

Stacey Kent desembarca no Brasil para uma série de quatro shows em setembro. Kent se apresenta em São Paulo (9), Itajaí (10), Porto Alegre (14) e Rio de Janeiro (16).
Vem para promover seu último disco chamado Raconte-moi, lançado neste ano pela antológica gravadora Blue Note e totalmente gravado em francês.
Aliás, Stacey possui um dos contratos mais invejáveis do selo musical, com privilégios de diva.
A faixa que abre o disco Raconte-moi é uma versão em francês para o clássico "Águas de Março" de Tom Jobim. Recentemente a moça deu uma declaração que o seu sonho era gravar em português, língua a qual se dedica a aprender além do inglês e francês que já domina. No álbum, Kent faz também sua versão para canções de diferentes gerações da música francesa, de Henri Salvador, Barbara e Georges Moustaki a Benjamin Biolay e Keren-Ann.
Americana de New Jersey, Stacey Kent, como Cassandra Wilson e Diana Krall, tornou-se uma ponte moderna entre o jazz e o pop.
Escolheu Londres para viver e é uma estrela na cena européia. É cantora residente do mais famoso clube de jazz de Londres, o Ronnie Scott’s, ganhou o British Jazz Award e o BBC Jazz Award, no ano passado, a França lhe deu a comenda Chevalier des Arts et Lettres. Em 2007 foi indicada ao Grammy pelo lindo álbum "Breakfast on the Morning".
Seu primeiro disco saiu em 97, "Close your eyes". Desde então já foram 15 discos lançados, inúmeras parcerias e a certeza que com tanto talento e carisma Stacey com certeza está entre as grandes cantora de jazz. Esta é sua segunda vez no Brasil e este show é imperdível.

Apenas uma vez, mais uma vez....

(este texto eu escrevi para o UIA Diário - http://www.uiadiario.com.br)

No próximo dia 27 de agosto a dupla The Sewll Season vem ao Brasil para lançar o seu segundo álbum: Strict Joy.
The Swell Season é formado pelo guitarrista irlândes Glen Hansard e pela pianista tcheca Marqueta Irglova. Os dois ganharam projeção mundial quando receberam o Oscar em 2008 de melhor canção original. "Falling Slowly" virou uma espécie de novo clássico da música romântica... É impossível não ouvir e se sensibilizar.
A faixa faz parte do sensível filme "Once", que no Brasil ganhou a tradução de "Apenas uma vez". O filme conta a história do encontro de um músico de rua e de uma pianista imigrante nas agitadas ruas de Dublin. Glen e Marketa fazem a dupla romântica...
Ao ouvir o novo álbum da dupla você chega a conclusão que já ouviu isto antes. Com outros músicos como Van Morrison e Damien Rice. Mas isto é folk music. E vamos combinar que é muito difícil fazer variações em cima do folk.
O disco é romântico, sensível e uma ótima oportunidade para fazer uma declaração de amor... Então se você está no mundo das pessoas apaixonadas vai adorar o clima de "loves in the air" que prevalece no show e no som da dupla.... Mas já vou avisando é "Apenas uma vez, mais uma vez"... o que não quer dizer que é ruim. Muito pelo contrário. "Strict Joy" está mais bem arranjado e sofisticado. O conjunto de arranjos sutis que prevalecem as cordas, melodias serenas e boas letras soam muito bem. A produção é do americano Peter Katis, que tem trabalhando com músicos escoceses . A voz de Glen prevalece nas músicas, mas é Marketa que se destaca...
Patricia Oriolo - roteirista e ouvinte amadora

Você é o Poderoso Chefão

(este texto eu escrevi para o UIA Diário - http://www.uiadiario.com.br)

Esta dica é só para os iluminados. Aqueles que são capazes de dedicar um dia de sua vida para ficar em casa assistindo filme... Mas não um filme qualquer. Estamos falando da saga “O Poderoso Chefão”. Se você não gosta dos filmes... Pare a leitura por aqui. Porque daqui em diante só os escolhidos terão vez.
A idéia é que você dedique um sábado de sua vida para rever todos os três filmes. Eu to acreditando que em algum momento da sua vida você já assistiu...
O melhor dia para esta aventura é no sábado. Assim você tem a sexta para se preparar e o domingo para voltar ao normal... Já que depois que quase nove horas na frente da TV a possibilidade de você virar uma lagartixa é grande.
Na sexta compre todos os tipos de supérfluos perecíveis que você mais gosta, vinho, cerveja... é bom ter alguma bebida por perto, você não vai dirigir mesmo. Avise aos amigos e aos parentes que no sábado você estará fora.
Se puder encha a lata na sexta a noite. É bom para entrar no clima marginal. No sábado acorde por volta das onze horas da manhã. É um horário civilizado para este tipo de coisa. Já comece comendo as tranqueiras que você trouxe do supermercado e então d~e o play neste dia tão especial. Eu sugiro que você comece pelo Poderoso Chefão III. E eu explico. É o mais chato de todos, um pouco cansativo e, em minha opinião, psicológico demais. Eu acho bom porque já que você se propôs a assistir aos três, se você deixar por último vai desencanar... Tenho certeza. Já aconteceu comigo e com outras pessoas que se aventuraram por este mundo.
Depois que terminar o filme, já deve estar na hora do almoço. Coma mais tranqueiras ou faça um macarrão ao sugo para te colocar no clima italiano e eu acho que já tá numa boa hora para abrir um vinho.
Parta então para O Poderoso Chefão I. E o encontro de Al Paccino com Marlon Brando na saga da família Corleone. E você vai ter a chance de ver a cena do cavalo e do pedágio novamente. Só para você. Para muitos são as cenas mais brilhantes do cinema.
Coma mais tranqueiras. Abra outro vinho e coloque o Poderoso Chefão II. Para mim o melhor dos três. Adoro este filme. É a entrada de Robert de Niro na Saga como o jovem Vito Corleone. Ficamos sabendo sobre a sua infância e juventude e como a Máfia Italiana mata toda a sua família. É também uma forma de entender como a Máfia entrou em Las Vegas... E aí terminou o seu dia dedicado a uma das melhores histórias do cinema. Se você quiser saber como Mario Puzzo, roteirista e autor do livro chegou aos Corleones leia “Os Bórgias”.. Pra te falar a verdade este livro faz O Poderoso Chefão parecer um conto de fadas...