quinta-feira, 31 de maio de 2007

Dia sem tabaco

A montanha mágica
"Simplesmente não compreendo como alguém possa viver sem fumar. Priva-se por assim dizer, do que há de melhor na vida. Em todo o caso lhe escapa um prazer magnífico. Quando acordo pela manhã, já me alegro com a idéia de poder fumar durante o dia, e quando tomo uma refeição, já penso em fumar depois. Sim senhor, posso dizer, com um pouco de exagero, que como apenas para ter uma oportunidade de fumar. Um dia sem tabaco seria para mim o cúmulo da insipidez, um dia totalmente vazio, sem o mínimo atrativo, e se eu qualquer dia despertasse sabendo que não poderia fumar, acho que não teria coragem nem para me levantar. Francamente, eu ficaria na cama. Olhe, quando a gente fuma um charuto que puxa bem... claro que não deve estar furado, o que constitui um defeito muito desagradável... quero dizer, quando a gente fuma um charuto bom, sente-se garantido e nada pode-lhe acontecer. É a mesma coisa como deixar-se ficar deitado numa praia de mar, fica-se deitado, não é? Não se tem necessidade de nada, nem de trabalho nem de distrações... E fuma-se no mundo inteiro graças a Deus!!! Ao que me parece, não existe nenhum lugar onde esse prazer seja desconhecido, por mais longe que nos arraste o destino. Até o exploradores das regiões polares levam fumo em abundância, para que possam aguentar os esforços das suas viagens. Isto sempre me pareceu muito simpático. Pode acontecer que uma pessoa ande muito mal... Suponhamos, por exemplo, que me encontre num estado lamentável... mas, enquanto tiver o meu charuto, aguentarei firme, disto tenho certeza. O charuto me faria vencer qualquer obstáculo." Hans Castorp conversando com seu primo Joaquim no mais perfeito de todos os livros A montanha mágica, de Thomas Mann. Eu me sinto como Hans Castorp... mas não quero terminar como ele, morto... com problemas no pulmão, na alma e no coração. Mas é muito difícil parar de fumar... muito... muito.... muito... muito...

terça-feira, 29 de maio de 2007

O brasileiro típico

Na última segunda-feira a BBC revelou os resultados de uma pesquisa que encomendou, na qual tenta traçar o perfil da ancestralidade brasileira. E pasmem... o resultado confirmou aquilo que todo mundo sabe: o brasileiro é uma mistura de europeu, negro e índio. Não existe uma forma de dividir ou classificar o povo brasileiro. Somos os mais misturados do mundo. No grupo de 120 pessoas pesquisadas, mais da metade tem por parte de pai, origem européia. Ou seja a cor da pele diz muito pouco sobre a nossa origem... Aliás, não diz nada. Nove personalidades negras foram convidadas a participar da pesquisa também. Entre elas o Neguinho da Beijo Flor, que tem 63% de origem européia... Como dizia a música da Sandra de Sá, que também está na pesquisa, "a verdade é que você tem sangue criolo. Todo brasileiro tem". Eu, a julgar pelo meu cabelo, acho que sou 80 por cento negra... 20% restante da ancestralidade européia se fixou na minha pele que de branca não tem nada e sim um tom amarelo de quem não vê o sol há muito tempo... Triste, bem que podia ser o contrário: eu podia ser negra com cabelo liso... Mas a questão que mais chama a atenção na pesquisa é que a análise foi feita por origem de pai e origem de mãe. Por origem de pai, mais da metade tem ancestralidade européia... Por parte de mãe, 85% tem origem africana. A conta é simples... os europeus vieram para cá, sem mulher e se aproveitaram das índias e das escravas negras... E disso deu a gente: o brasileiro típico... Ou seja desde o começo a nossa origem é uma grande sacanagem... Muitas histórias se confundem com violência sexual, exploração de mulheres negras e índias... Mas, existe também o outro lado da moeda... E aí a coisa se torna mais romântica. Alguns historiadores afirmam que os portugueses que vieram para cá no início da colônia, eram pobres e sem família... Quando chegavam aqui se relacionavam com as negras e índias... constituindo a sua, a minha, a família de todos nós... É a gente é assim... Só falta agora a gente resolver algumas questões que também têm origem na Casa Grande e na Senzala: pobreza, exploração, corrupção, desigualdade social, fome, corrupção, violência... Um dia quem sabe...

segunda-feira, 28 de maio de 2007

Televisão...

Hoje Hugo "Maluco" Chaves encerrou as atividades da TV Venezuelana que lhe fazia oposição... Esta é a maior prova de que o país vive numa ditadura... Para Chaves a emissora prejudicava o socialismo do século XXI... Ahã??? Não entendi... também não precisam explicar. Isto é uma nova ditadura, sustentada pelo golpe da eleição manipulada... Mesmo que os resultados sejam legítimos manipular a cabeça das pessoas, na minha forma de pensar, também é um golpe. Tirar uma emissora do ar é tão sério e desolador que não dá nem para comparar... Sempre, toda vez, que algum governante está com intensões tiranas ele acaba com a imprensa... e instala a censura. Isto é mais do que uma censura é o controle do Estado sobre a informação, informação é poder, sem informação as pessoas perdem o poder de dicernimento, senso crítico e formação de opinião... A Venezuela, não podemos esquecer nunca, está na América Latina... E ditadura é igual piolho... quando vc menos percebe pula pra outra cabeça e procria que é uma beleza...

sexta-feira, 25 de maio de 2007

Há 30 anos numa galáxia distante

Hoje está fazendo 30 anos que o primeiro episódio, que na verdade é o quarto da série Guerra nas Estrelas estreou nos cinemas. Foi um marco para o cinema que conseguiu fazer uma coisa impossível: juntar ciência e cultura pop. Isto sem falar na concepção dos efeitos especiais, das histórias de ficção científica que até Guerra nas Estrelas tinha como referência o romântico e cult Flash Gordon e o clássico 2001, Uma Odisséia no Espaço. George Lucas escreveu a sua saga intergalática inspirado no filme de Kubrick. Mas também teve ajuda de Joseph Compebell de o Poder do Mito. Foi ele o responsável pela construção do herói Luke Skywalker e o seu arquinimigo Darth Vader... Eu adoro Guerra nas Estrelas, todo os seis, prefiro o último que já foi terceiro e agora é o sexto O Retorno de Jedi... Levo os ensinamentos Jedis comigo...eheh Principalmente o que diz que o medo é o lado escuro da força... Concordo plenamente... Essa adoração eu passei sem querer para a minha filha que se transformou em um membro do Conselho Jedi... Belinha gosta mais do que eu hoje. A ponto de não se cansar de assistir O Retorno de Jedi... para ela também o melhor de todos. Belinha tem uma conclusão ótima sobre Darth Vader. Para ela ele realmente foi o responsável por trazer o equilíbrio para a força. O escolhido, se ele não tivesse existido, as coisas não teriam ficado tão bem... Afinal eu conheci Darth Vader de máscara escura. Ela conheceu o bonito Annakin Skywalker... que demorou para ir para o lado escuro da força. Ano passado, passamos dois finais de semana inteiros assistindo os seis filmes... com direito a paradas estratégicas para explicar algumas coisas que ela não entendia. Foi muito bom... Sempre que passa na TV eu vejo. É um outro universo, literalmente... mas antes de tudo é um lugar onde a imaginação é obrigada a se encontrar com infinitas possibilidades. Em toda a sua trajetória Guerra nas Estrelas é um negócio que representa mais de 13 bilhões de dólares. Um verdadeiro império... que começou com o sonho de um menino, George Lucas, recém-saído da faculdade de cinema. Ainda bem que existiu... Parabéns e que a força esteja com você!!!

quinta-feira, 24 de maio de 2007

Aos produtores

((texto do blog velho, com algumas adaptações, mas bem atual))
Minha amiga Babi vive me pedindo para ser personagem em suas matérias. Não vou me atentar ao foto de eu ser considerada personagem, na verdade eu acho que todos nós somos, partindo do ponto que sempre temos uma história para contar... que pode ser levada para a televisão.
A questão é que eu sempre digo não. A razão principal é porque eu não gosto. Claro que ela sempre fica muito brava comigo, afinal de contas já que eu não topo, alguém no planeta Terra vai ter que topar... Então, Babi como boa produtora que é, sempre consegue resolver a questão usando a sua mais poderosa arma: o telefone. O instrumento de vida e morte de todo produtor. Um produtor sem telefone, não existe. Isto sempre me faz pensar no fato de ter que correr atrás de alguém desesperadamente. Já fiz isso milhões de vezes... não é fácil. As vezes tenho até vontade de chorar... Eu sou meio surda do ouvido esquerdo e o calo que eu tinha no cotovelo, desapareceu faz pouco tempo... É engraçado falar de calo no cotovelo, mas a grande maioria dos produtores tem. (de tanto ficar com ele apoiado na mesa segurando o telefone no ouvido). Uma vez a minha amiga Fernanda teve que fazer um curativo no machucado, que se formou no seu cotovelo na produção do filme “Desmundo”. Coisas de produtor... Achar. Pelo telefone. Organizar. Pelo telefone. Convencer. Pelo telefone. Fazer com que a pessoa se torne o seu melhor amigo e ainda confie em você, sem nunca na vida ter te visto, pelo telefone. Não é punk?? Já vi produtores conseguindo coisas incríveis, como um ônibus com figuração em vinte minutos. Tipo é um ônibus que você quer? Então ta. Andou até a avenida, parou o ônibus e ainda convenceu os passageiros a participarem da gravação. E o telefone foi usado para pedir autorização de imagens, enviar segurança e avisar da loucura que estava fazendo. No final das contas deu tudo certo. Na verdade foi um surto. Ser produtor é viver em extrema ansiedade com o telefone. Se ele toca muito, é punk, se não toca... é mais punk ainda. Aliás a ansiedade é um estado permanente na vida de um produtor... Eu não exerço mais a função... Não tenho a menor saudade... quando bate novamente, eu peço para voltar a ser estagiária na TVDK (o melhor em sistemas analógicos, que já produziu as melhores festas, churrascos e viagens do mundo) É só para manutenção, como o cara que parou de fumar e no Natal dá um traguinho. Não é que uma vez fumante sempre fumante, uma vez alcoólatra, sempre alcoólatra... uma vez produtor, sempre produtor... Até na hora de organizar o enterro... Ou se a saudade é muito forte eu fecho o olho e lembro do dia em que coloquei 70 ônibus para andar em 15 minutos na Dutra... aí passa.

quarta-feira, 23 de maio de 2007

Caso alguém se interesse...

Vai chegando junho e as barraquinhas com comidas de festa junina invadem os supermercados... é um saco esta oferta descarada.... Se alguém se interessar quero dizer que cada paçoquinha de amendoin tipo rolha, aquela maravilhosa tem 130 calorias... saco!!!

Novo hit da internet

O mais novo hit da internet, causando a mesma sensação que o famoso Tapa na Pantera é o vídeo com a música "Vai tomar no c...". É muito engraçado... porque na verdade é um desabafo... vc escuta e pensa nas milhões de vezes em que teve vontade gritar a pleno pulmões o palavrão... Eu participei de um projeto que queria criar vídeos virais para a internet, sem usar sexo, palavrão, drogas e rock n´roll... não deu certo... claro.
Eu recebi o e.mail com o vídeo com o subject: relaxamente... eu diria que é mais uma cartase...
Para aqueles que não viram... segue o link: http://terratv.terra.com.br/home.aspx?channel=100&play=1&plid=106732. É um trabalho da ex-apresentadora do Shop Tour e atriz de teatro Cris Nocoloti. Bobagens que divertem...

terça-feira, 22 de maio de 2007

Snooze...


Antes de mais nada não gosto de coisas traumáticas... e a principal é sair da cama assim que o despertador toca... isto é impossível pra mim. Aliás eu já programo o despertador pensando na soneca de nove minutos... As vezes exagero e a coisa se repete muitas vezes... Até eu perder a hora e pular da cama desesperada. A pergunta é: quantas snoozes você precisa para acordar? Com um pouco de vergonha desta situação rídicula, descobri que não sou a única... muita gente precisa de três, quatro... até oito snoozes para levantar da cama. O despertador toca, eu soco ele, ele pára e eu volto a dormir como se nada tivesse acontecido... nove minutos depois ele toca, eu soco ele e volto a dormir... e assim sucessivamente até sair do mundo de Orpheu... Bowie me disse que precisa de pelo menos três snoozes para acordar... em dias mais brados o número sobe consideravelmente. Belinha é tão adepta que o despertador toca e ela já faz as contas do tempo que precisa para se arrumar de manhã e calcular quanto tempo a mais vai ganhar na cama... Carlito, outro amigo, diz que a hora que vc acorda é a melhor hora... com a mais absoluta certeza...isso quer dizer que é a melhor hora para continuar a dormir... Eu já cheguei ao absurdo do meu vizinho debaixo do meu apartamento gritar para eu desligar o despertador... punk. Despertador para mim precisa de ser de plástico e muito resistente. O coitado vai aguentar uma parada dura ao meu lado... eu durmo pouco, mas quando durmo, durmo mesmo... nunca vou dormir antes da meia-noite... em raros casos, muito raros. Acordo cedo... nem sempre... mas tento. Tenho uma relação de amor e ódio com o meu despertador... sem ele não estaria aqui agora... estaria dormindo... porque eu acordo fácil sozinha as duas da tarde crente que são oito da manhã... já aconteceu várias vezes isto comigo... Desespero total... Mas adoro acordar tarde num Domingo com chuva... ler o jornal, tomar café bem devagar... Já falei que muitas vezes eu esqueço de desligar a tal da snooze e vou tomar banho... é nesta hora que o vizinho coitado grita.

segunda-feira, 21 de maio de 2007

Homem-aranha

A Isabella estava se sentindo incompleta porque não foi na estréia assistir ao Homem-Aranha. Ontem de tanto ela me encher o saco acabei cedendo e indo no Domingo, pegar fila no Cinemark para assistir o mega -blockbuster do mês... Bom, o filme é muito bem montado. Isto não há dúvida... Muito bem filmado, até demais pro meu gosto. Acho que para um filme de ação tem falação demais... Muitos diálogos no filme... tentando dar um ar mais profundo para a aventura... Como se estivesse justificando aquele monte de teia gasta... Como já foi dito, o maior inimigo do spider-man é ele mesmo... Mas de todos os problemas do filme o maior, a meu ver, é o tempo... Longo, muito longo... quase duas horas e quarenta... Se eu editasse este filme, deixaria fácil com uma hora e meia... Sem perder o fio da meada e fazendo a coisa ficar mais ágil... Bom, a Belinha adorou.... Agora estamos ansiosas para os dois próximos lançamentos que realmente nos interessam: Piratas do Caribe, no Fim do mundo (preferência da Belinha) e Harry Potter, a Ordem de Fênix (minha preferência... tô até pensando em ler o livro de novo para lembrar de algumas coisas que esqueci...ehehe). Ninguém vai perder nada se deixar para assistir o filme em DVD ou na TV a cabo....

Simples assim...

(frase que Ana me mandou e eu achei muito bonita. Um pensamento para começar a semana. A gente não sabe o autor, desculpe)
"A cura de todos os males está na água salgada: lágrimas, suor e um belo banho de mar".

sexta-feira, 18 de maio de 2007

Filosofia de vida


No filme Doce Lar, há uma frase que virou filosofia de vida e é realmente profunda: você pode tirar a menina de dentro do bar, mas você não pode tirar o bar de dentro da menina. Não mesmo. Você pode trabalhar 500 horas por dia, ter milhões de impostos pra pagar, ter que ir e voltar de Pequim todos os dias, ficar horas no computador escrevendo, ter família, artrite, dor de cabeça, ou qualquer outra coisa que faz parte da vida... o bar vai estar sempre dentro de vc. Ontem foi niver da Veri e descobrimos a versão chic do chopinho da Liberdade. É o West Point. Não tem Karaokê de japonês, nem sushi, nem churrasquinho... Mas tem um sanduiche natural muito bom, cerveja Stela (sempre cara pra caramba) e muitas mesas de sinuca e pinball... Queria pedir desculpas pro pessoal lá da ZN que depois de longos anos longe das máquinas de pinball, ontem eu simplesmente dei um vexame... Foi rídiculo... apesar que a máquina também era pdp.... Jogamos sinuca e graças ao técnico Adrinano eu e Claudinha (esta aí da foto) não vimos a nossa moral ser rebaixada ao nível abaixo de zero... Edu na verdade nasceu dentro de uma mesa de sinuca, antes dele falar as primeiras palavras, fazer qualquer movimento ele já sabia o que era bola sete na caçapa dois... É um horror jogar com ele... Mafê também é profissa... Eu ri muito, foi muito divertido.... um noite dentro do bar... Foi bom para matar saudades tb...

quinta-feira, 17 de maio de 2007

Futurismo

((Alguém já ouviu esta música??? A letra é realmente muito boa))
Futurismo - Kassin + 2
Quando eu penso em viagens espacias
E nos amigos deliais
Fico tonto sem saber como que vai dar pra entender
O genoma e os neurônios saltitantes
Clones humanos e implantes
O futuro até parece uma brincadeira delirante
Mas se você quiser meditar, no futurismo
E tudo o que deixamos passar, sem se importar
Parece que perdemos o senso de humanismo
E agora a água pode acabar
"Existem milhões de neurônios em nossos cérebros. Desses milhões de neurônios, uns poucos, só alguns poucos, são neurônios saltitantes. Conseguem captar as características mais novas, dentro do cérebro da mãe e do pai, que serão transmitidas aos seus filhos e filhas."
Quando penso nos amores virtuais
Nas maquinhinhas digitais
Fico sem saber como fazer pra me convencer
O genoma e os neurônios saltitantes
Ficam alegres e falantes
O futuro até parece com uma patada de elefante
E a natureza serve só para combustível
E tudo o que deixamos queimar, sem se importar
Parece que perdemos o senso e o juízo
E agora o mundo vai se esquentar

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Não gosto de bons moços

Numa recente conversa entre quatro mulheres no msn (não me pergunte como isto foi possível) cada uma disse que tipo de homem queria... Eu não quero bons moços... o resto aceito negociar. Como sabemos, a vida moderna é cheia de máximas e uma delas é: bom moço é corno. Concordo em gênero, número e grau. Homem é normalmente bobo, sem sensibilidade para algumas coisas e pensa muito mais com a cabeça debaixo. Ótimo... pra quê mais? Atrapalha. O conceito bom moço é um tanto quanto delicado, porque o cara que abre a porta, puxa a cadeira, lhe manda flores e sonho de valsa não é necessariamente um bom moço... Bom moço é aquele cara sensível, que entende os seus problemas, entende porque você está chorando e compreende a revolução hormonal da mulher na TPM, adora discutir a relação e vive atormentado pelo fantasma do papel do homem moderno, usa cremes e faz escova no cabelo, para logo na sequência passar gel e como diz a Denise: gel não dá!!! É o metrossexual... Um boiola que não é viado... Como diz um grande amigo gay: eu sou gay, mas não sou viado. Ou seja: bom moço é um cara dado à viadagens... Não to podendo. Como alguns sabem eu namoro um mecânico... não é bom moço, não mesmo. Mas ele me manda flores, compra presente, me leva para jantar numa cantina romântica, me abandona dormindo no sofá, não entende os fantasmas da minha voz, não discute o cinema francês, adora o meu gosto musical duvidoso, tem pegada, gosta de mim e eu acho sinceramente que gosto muito dele... Abaixo aos bons moços.

terça-feira, 15 de maio de 2007

Rimbaud em prosa

Uma temporada no inferno
Antigamente, se bem me lembro, a minha vida era um festim, onde se abriam todos os corações, corriam todos os vinhos. Uma noite, sentei a Beleza no meu colo. - E a achei amarga. - E a xinguei. Armei-me contra a justiça. Fugi. Ó bruxas, ó miséria, ó ódio, meu tesouro foi confiado a vocês! Consegui apagar do meu espírito toda a esperança humana. Para estrangular toda alegria, dei o bote surdo da fera. Chamei os carrascos para, morrendo, morder a coronha de seus fuzis. Chamei os flagelos para sufocar-me com a areia, o sangue. A desgraça foi meu Deus. Deitei na lama. Sequei no ar do crime. E preguei boas peças à loucura. E a primavera me trouxe o medonho riso do idiota.E ultimamente, estando quase ao ponto de dar a minha última nota falsa!, pensei procurar a chave do antigo festim, onde reencontrarei talvez o apetite. A caridade é esta chave. - Esta inspiração prova que sonhei. "Você continuará hiena, etc...", exclama o demônio que me coroou com tão amáveis papoulas. "Ganhe a morte com todos teus apetites, e teu egoísmo e todos os pecados capitais." Ah! peguei disto demais: - Mas, meu caro Satanás, vos conjuro, uma pupila menos irritada! e aguardando algumas pequenas covardias atrasadas, vós que amais no escritor a ausência das faculdades descritivas ou instrutivas, vos destaco estas horrendas folhas do meu carnê de danado.

domingo, 13 de maio de 2007

Dia das mães

Hoje é um daqueles dias que vc se sente especial. Eu acordo com beijos, com presentes, com homenagens... declarações de amor e todo o carinho que simplesmente inunda a alma. Eu gosto de ser mãe... Acho que sou relativamente boa mãe... a gente fica sempre em dúvida. Ainda mais quando o tempo vai passando e a imagem do bebê pequeno que dependia de você em tudo, teima em não sair da sua mente... E não é assim... Eu crio um monstro consumidor de música, filmes, inteligente, sensível e que a todo instante me surpreende. Tenho muito orgulho da Belinha.... Ela é realmente muito linda. Eu só tenho a agradecer pela filha maravilhosa. Tenho que agradecer também a minha mãe que me fez e me ensinou tudo... Com ela eu aprendi a melhor de todas as lições: a responsabilidade da liberdade. Ela nunca me proibiu de nada, mas sempre me cobrou a responsabilidade... e Aí mesmo tropeçando a gente vai vivendo com essas pequenas lições... Me mostrou os primeiros livros, as músicas e sempre esteve ao meu lado... isto é o principal. Axé.

terça-feira, 8 de maio de 2007

Texto da Amélia

Há sete anos encontrei um anjo que mudou a minha vida. A Dr.Amélia me recebeu de braços abertos e me fez, aos poucos, acalmar os fantasmas da minha voz... No pior momento de minha vida escutei a sua voz me dizendo que tudo ia dar certo... por mais que eu duvidasse da sua aparente calma, ela tinha razão... Aliás durante este tempo todo eu pude perceber que ela sempre teve razão... Em tudo. Hoje Dr.Amélia está se recuperando... estou rezando muito por ela. Sinto sua falta, não só por causa da terapia, mas também pela conversa... Uma das pessoas mais inteligentes que conheço. Muitos de meus amigos e pessoas que encontrei por alguma razão também passaram a ser pacientes dela... Torço muito, e sei que logo, logo ela vai estar no consultório perguntando e aí doutora?? Abaixo reproduzo um texto que recebi hoje de sua filha com notícias sobre sua recuperação, que Graças a Deus anda bem...

Raízes espirituais
De Amélia Nascimento
Quando era criança morava numa casa bem pequena e amava as casas grandes e avarandadas. Passei a imaginar que todas as pessoas que tinham casas com varandas eram felizes. Minha primeira grande ilusão, logo perdida.
Na adolescência, pensava que as pessoas inteligentes não tinham preconceitos. Mais uma fantasia que não encontrou respaldo na realidade. Vivi mais um pouco e achei que a espécie humana era feita basicamente da mesma matéria. Logo, brancos, pretos, azuis e amarelos seriam todos iguais. Todos temos a mesma procedência. Mais um engano.
Deixando de lado as ilusões e superando as fantasias, acabei descobrindo minhas verdadeiras raízes. Há um grupo, ao qual me orgulho de pertencer, que tem uma raiz comum que não é física, nem histórica, nem geográfica... Uma raiz espiritual, talvez.
São pessoas de uma espécie que valoriza a humanidade verdadeiramente. Por isso, vivem aprimorando a visão para enxergar melhor a si mesmos e aos outros, unindo-se nas resistências positivas. Procuram vencer os preconceitos, em si mesmas e na sociedade e não se importam com o tamanho da sua luta. Como o beija-flor de uma história antiga, carregam água no bico para apagar o incêndio na floresta. Jamais se perguntam se estão fazendo pouco. Simplesmente fazem. Fazem sempre o que podem.

segunda-feira, 7 de maio de 2007

Vôo 757

((outro poema))
Fechei um saco de emoções.
Bye, bye Brasil
Saí para andar.
Vou lá ver.
Venho aqui contar.
Me lembre da música
Leve o livro
Liga aqui.
Fala coração…
Passe a noite aqui.
amanhã, vôo 757!!
Não posso, vou semana que vem.
Tô aqui, pode vir.
Voltei e já estou com vontade de voltar.
É um presente
Este sorriso e este cheiro.
Divide o cigarro.
O último gole é seu.
É noite, tem lua.
Pensa em mim
Passa a noite aqui.
Amanhã, vôo 757.
Hoje é o meu dia.
Passa a noite aqui.
Amanhã, esquento o pão.
Deixe o seu recado depois do bip.

domingo, 6 de maio de 2007

Quem é essa garota?

Como aqui no Brasil a indústria fonográfica vive procurando "a próxima Elis Regina", nos EUA guardadas as devidas proporções, a indústria vive procurando a nova Aretha Franklin... como aqui... não vai aparecer... E acho que esta busca irritante apaga o brilho de muitas cantoras que vieram buscar a seu lugar ao sol, inspiradas sim, influenciadas também... É o caso de cantoras como Erika Babu e Macy Gray... nenhuma das duas é Aretha Franklin... Isto não quer dizer que são piores... são diferentes. Gosto das duas, mas descobri recentemente outra cantora com o título de "nova Aretha Franklin", seu nome é Jill Scott... Estava lendo sobre o Festival de New Orleans e em várias matérias todos foram unânimes em dizer que este sim foi um show de verdade... Aí baixei três discos... E me apaixonei por uma voz poderosa, mas que não grita, Graças a Deus e nem faz malabarismos vocais desnecessários... É suave, penetrante, carismática... melódica. É uma voz bonita. Suas canções falam de amor, racismo, dificuldades em viver, na busca por todas as coisas que a vida moderna pede... Ela diz que não tem o cabelo bom, não é magra e não tem bundão... a única coisa que tem mesmo é a sua voz. Putz não é verdade, ela é bem bonita... mas a voz... é soul music... é funk, tem um pouco de rap (bem pouco)... não sei é a nova Aretha... mas que Jill Scott tem tudo o que uma verdadeira Diva precisa. Estou mais fã do cd Jill Scott with Friends... mas Who is Jill Scott? Words and Sounds Vol. 1... é belissímo.

quinta-feira, 3 de maio de 2007

O nascimento dos Beatles em mim...

Eu fui criada numa família com intensa tradição de MPB, ou seja até eu me transformar em adolescente rebelde eu só ouvia coisas da nossa terra mesmo... com muita influência da Rádio Mundial AM, do Rio de Janeiro, que tocava o fino do popular na década de 70/80... Um dos passatempos de meus primos era fazer serenata... e dá-lhe MPB. Mas com um pé no campo e outro na cidade eu fui crescendo e aprendendo musicalmente... O meu primeiro momento Beatles aconteceu em mim graças a Fernanda... ela adorava, sabia tudo... No nosso primeiro ano da faculdade íamos de carona com o seu irmão escutando a 89FM, rádio Rock, hoje a rádio rock, que na minha opinião deveria ser patrimônio de São Paulo, toca uma salada só... De manhã cedo o programa era o Flash Rock... e não existe Flash Rock sem Beatles e assim dia sim, dia também, tocava uma faixa dos meninos de Liverpool... Fernanda sempre falava, explicava, traduzia um trecho da música... lembro de uma passagem muito engraçada quando estávamos ouvindo Help e a Denise no auge do seu momento desligado de ser, perguntou quem cantava a música... soltamos em coro um “Denise, por favor”... Vc nasce num dia e no outro já sabe quem canta Help é básico... Batalhei muito para a Fernanda me emprestar a sua super fita K7 (alguém lembra que isto existiu??) de 90 minutos, mas nunca rolou... Depois veio o Pollari e seu amor quase maníaco, para não dizer maníaco pelos Beatles... Pollari foi criado em Manaus e vcs sabiam que os ingleses em troca das seringueiras deixaram o Teatro de Manaus, o prédio da Justiça e muito intercâmbio cultural que durou décadas? Então na década de 60 a efervescente Manaus recebia nos navios ingleses que aportavam no porto flutuante, calça Lee (proibida) e qualquer outro artigo básico nos primórdios da cultura pop. Pollari tinha o disco branco dos Beatles antes de qualquer pessoa no Brasil... chegava primeiro lá... engraçado isto. Sabe qual foi o primeiro disco que a Belinha ganhou? Beatles for Babies... sim isto existe... e é lindo. Com a convivência fui aprendendo a gostar... mesmo porque não tinha outro jeito. Em NY andei como um condenada para tirar foto em frente ao Edifício Dakota... não sabem que prédio é este... onde John Lennon morava e foi assassinado... Pollari sabia histórias incríveis sobre os Beatles... escutamos muito junto... seu preferido era o Sgt.Peppers... em si o disco nem tem muitos hits... outras músicas são mais conhecidas... mas a idéia era sensacional. Acabar com a histeria das fãs em cima do grupo e por isso eles criaram o Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, um banda fictícia que podia tudo, fazer qualquer experimentação. O disco seria totalmente gravado em estúdio. Mas sobre a gravação falo depois. O quinto Beatles conhecido como George Martin, o produtor diz que se arrepende até hoje de ter deixado de fora das 13 faixas duas que foram lançandas em um compacto (vinil pequeno com um música de cada lado) "Strawberry Fields Forever" e "Penny Lane”. O engraçado é que as músicas são verdadeiras mega blaster hists dos Beatles... se estivessem em Sgt. Peppers o álbum teria uma outra história... acho que muito mais avassaladora e sem o mesmo charme cult que ganhou... Discuti muito isto com o Pollari e outros Beatlesmaníacos que conheci... nunca chegamos a nenhuma conclusão...

quarta-feira, 2 de maio de 2007

Aguardem!!




No próximo dia 01 de Junho o disco Sgt.Pepper´s dos Beatles completa 40 anos... Estou preprando um texto, técnico e emocionado sobre as coisas que sei do disco é também sobre as coisas que vivi atráves dele... Espero que gostem. Aos poucos vou publicando...

Manoel de Barros

O poeta mato-grossensse Manoel de Barros é o narrador da vida simples... Sempre amparado nos segredos e nas revelações que a natureza nos faz... Estava faltando um pouco dele por aqui... Agora não mais...
O Livro sobre Nada Manoel de Barros * Com pedaços de mim eu monto um ser atônito. * Tudo que não invento é falso. * Há muitas maneiras sérias de não dizer nada, mas só a poesia é verdadeira. * Não pode haver ausência de boca nas palavras: nenhuma fique desamparada do ser que a revelou. * É mais fácil fazer da tolice um regalo do que da sensatez. * Sempre que desejo contar alguma coisa, não faço nada; mas se não desejo contar nada, faço poesia. * Melhor jeito que achei para me conhecer foi fazendo o contrário. * A inércia é o meu ato principal. * Há histórias tão verdadeiras que às vezes parece que são inventadas. * O artista é um erro da natureza. Beethoven foi um erro perfeito. * A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos. * Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos. * Por pudor sou impuro. * Não preciso do fim para chegar. * De tudo haveria de ficar para nós um sentimento longínquo de coisa esquecida na terra — Como um lápis numa península. * Do lugar onde estou já fui embora.

terça-feira, 1 de maio de 2007

Festa de Mafete...

Primeiro de tudo vc resolve fazer e convidar alguns amigos...Aí a gente chega e vê que vc já picou todos os ingredientes...mas tudo bem, a gente tem que tomar cerveja. É hora de cuidar da paella... chic, muit chic... enquanto a gente conversa os útimos acontecimentos do século. vc prepara, um por um, os ingredientes da melhor paella do mundo... deixo de tomar cerveja e acho melhor tomar vinho...Claudinha desenvolve um método de pesquisa que eu poderia mandar prendê-la... A noite vai e é lua cheia... as crinaças brincam.. e a gente descobre os segredos das uvas pino noir... não sei se é assim que escreve.. Mulher é mais fofoqueira que homem... invariavelmente vamos falar de cu... uma hora ou outra o assunto vai rolar... A pella fica pronta... que delícia... olho para a Fernanda agradecida. Ela acha que eu tô impressionada que ela é capaz de fazer isto... Também... Mas impressionada com o sabor, com a festa, com a oportunidade... Minha mãe diz que a gente só leva desta vida o que come, o que bebe e o que ri... é muito fácil concordar com ela... Conversa boa, risadas.... uma pausa no tempo... As razões pelas quais Tina Tuner tem uma fase que é foda... sentir culpa pela sobremesa... torta de morango. Claro... o bom tem sempre que continuar... vinho... tem certas horas que é mehor abri a Periqueita... ou melhor o vinho português que tem um nome... Festa de Mafete... Me arrependi profundamente de todas as paellas que perdi... Mas adorei esta... Uma delícia... digna de um mestre....