sexta-feira, 25 de julho de 2008

Dia do escritor

Hoje é o dia do escritor. Durante muito tempo tive vergonha de me assumir assim... já que coloca num pedestal os seres que escolheram esta tão esquisita profissão... Para muitos nem profissão é... um hobby, um jeito de passar as horas. Mas hoje, depois de tanto tempo... vejo que vivo disto. Sempre vivi... escrevo em todas as horas.... mesmo que só na minha cabeça... Ainda não realizei todos os meus sonhos... mas seis que estou no caminho. Parabéns a todos os escritores!! Os vivos, os mortos, os publicados, os não_publicados, os que pensam em escrever, os que estão escrevendo e os que ainda vão escrever... Parabéns a todos que usam da literatura para registrar a vida. Separei dois trechos do Rilke (claro... sem ele não seria nada) para completar a minha homenagem...

"Procure entrar em si mesmo. Investigue o motivo que o manda escrever; examine se estende suas raízes pelos recantos mais profundos de sua alma; confesse a si mesmo: morreria, se lhe fosse vedado escrever? Isto acima de tudo: pergunte a si mesmo na hora mais tranqüila de sua noite:"Sou mesmo forçado a escrever?" Escave dentro de si uma resposta profunda. Se for afirmativa, se puder contestar àquela pergunta severa por um forte e simples "sou", então construa a sua vida de acordo com esta necessidade. Sua vida, até em sua hora mais indiferente e anódina, deverá tornar-se o sinal e o testemunho de tal pressão. Aproxime-se então da natureza. Depois procure, como se fosse o primeiro homem, a dizer o que vê, vive, ama e perde. (...)"

"No mundo, a coisa é determinada, na arte ela o deve ser mais ainda: subtraída a todo o acidente, libertada de toda a penumbra, arrebatada ao tempo e entregue ao espaço, ela se torna permanência, ela atinge a eternidade. (...)"

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Chora Marrom...

(Por isto eu gosto da Alcione.... tipo filosofia de vida)

Condenados
Ah! meu amor, estamos condenados
Nós já podemos dizer que somos um, nós somos um
E nessa fase do amor em que se é um
É que perdemos a metade cada um
Ah! meu amor, estamos mais safados
Hoje tiramos mais proveito do prazer e somos um
Quando dormimos juntos, sonhos separados
Que nós não vamos confessar de modo algum
Ah! meu amor, ah! meu amor
Quantas pequenas traições
Pobres mentiras diplomáticas de puras intenções
Estamos condenados
Ah! meu amor, de discretos pecados
Formamos esse ser tão uno divisível, parece incrível
Que nós tentemos que ele dure eternamente
Nessas metades incompletas, mas decentes

segunda-feira, 21 de julho de 2008

Ubas ho!!


Fim de semana na praia.... fim de semana de sol... fim de semana com trilhazinha bem bonita para chegar em praia que nunca tinha ido... Praia da Justa... sem onda... água cristalina... um pouco fria... mas só na hora que entra... dia quente e frio.... relaxa o corpo e a mente... Estar entre amigos... saudade da Belinha... Feijoada da Lu... muito boa... cervejinha gelada... caipirinha.... e para completar um churros (putzzzz!!)... Mas o churros 25 anos de tradição de Ubatuba... muito bom. Momento jibóia... dormi 12 horas... Domingo de sol... Itamambuca.... como sempre linda... água deliciosa... é muito bom ficar na praia até cansar... até o frio te vencer.... frescobol... caminhada... picolé de tangerina... empadinha da tia da empadinha (a melhor do Brasil)... Meninos bonitos pra olhar.... oltar para São Paulo com uma sensação boa e poder fechar o olho e ainda sentir a onda do mar... Nossa como foi bom.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Diálogos sinceros

- Sabe... tô pensando em comprar um vibrador...

- Pra quê... me liga...

- Disque-pinto??

- É... não gasta dinheiro com bobagem... investe em outra coisa...

- No quê?? Terapia??

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Tipos de relacionamentos..

O que mais tenho visto ultimamente é o relacionamento Mc Donalds... Vc sabe que não deve, sabe mesmo.... mesmo assim come de vez em quando... putzzzzzzz

Né...

Com o meu novo trabalho tenho acompanhado muito o jeito que as pessoas falam e agora eu me liguei como o né faz parte do nosso modo de falar, né... É quase impossível terminar uma frase sem o né, né... O que o né quer dizer?? Não faço a menor idéia, né... Ele pode ser tanto afirmação, quanto negação, né... Ele não serve para nada, né... e se vc tirar da frase com certeza ela vai ficar mais bonita, ne... Tenho cá para mim que no ano de comemoração do centenário da imigração japonesa o né faz parte desta história, né... Assim como tirar o sapato quando a gente chega em casa, né não?? Aliás né não.... é a forma piorada do né, né?? O mais engraçado é que o né cabe em qualquer lugar, de qualquer jeito... Ele não tem regra, nem limite, né? Ele não tem credo, raça ou classe social... todo mundo fala né, né?? Quero ver vc tirar o né da sua vida, né... eu nem vou tentar...

terça-feira, 8 de julho de 2008

Tipos de problemas

Marininha escutou duas senhoras conversando no ônibus:

- Afinal qual é a diferença entre poblema e ploblema?

- Ah você não sabe? Poblema é poblema em casa e ploblema é ploblema no trabalho.

- Ah tá...

((Isto aconteceu de verdade))

segunda-feira, 7 de julho de 2008

A Flip que virou Clip

Luiz Fernando Verissímo entrevistou o dramaturgo inglês Ton Stoppard na Flip e começou a mesa agradecendo a CLIP... Na hora ninguém entendeu, depois ele emendou: Congresso Literário Internacional de Paraty... E acho que todo mundo sabe a diferença entre uma Festa e um Congresso. Este ano a Flip realmente estava muito chata... Fora alguns bons momentos proporcionados por Richard Price, David Sedaris e Neil Gaiman... O resto foi uma coleção de encontros desastrados... Os mediaores não combinavam com os escritores e em muitos momento queriam aparecer mais fazendo questionamento que levantavam a "semântica do rabo da tartaruga na escala dos tufões"... chato... em algumas mesas foi muito complicado se manter acordado. Lucrécia Martel e João Gilberto Noall estabeleceram o que pode-se dizer da não conversa.... Um não tinha nada com o outro e o mediador não se preocupou em encontrar um ponto de conexão... A tal união entre literatura e as outras artes ficou só na intenção... E o Machadão grande homenageado da festa foi literalmente expulso da praça da Matriz porque estava incomodando... Quase nenhum dos escritores, na sua maioria estrangeiros, tinham qualquer conhecimento sobre Machadão... E ele ficou confinado numa exposição (bonita), numa mesa (sem Nelida Pinon???) e numa apresentação estranha a noite... Esta é a minha quarta Flip... fiquei bem triste. Sinceramente não gostei... a gente aprende, ouve pessoas, discute, descobre coisas... Mas é inevitável não fazer comparações... Não teve a festa da tenda para o povo... uma tradição que unia pessoas... Todos os eventos eram na sua maioria exclusivos, com nomes na listas e credenciados... Eu tinha credencial... Mas conhecia pessoas que não tinham... Enfim o que normalmente é chato, o Sarau do Príncipe falaram que foi legal... Fim dos tempos?? Neil Gaiman trouxe um trupe diferente para Paraty... Seus fãs vestidos de preto e cabelos coloridos mudaram um pouco o tom chic-elegante-caras-aparecer das ruas de Paraty que aliás não foram feitas para saltos... Mesmo os saltos Manolo Blahnik... A oficina literária da qual participei também foi mais uma frustação.... Mas bom: comi no restaurante argentino preferido, bebi cachaça, resolvi o problema do mundo numa conversa animada com amigos queridos, eu e Lara voltamos de Paraty lavando a alma com o nosso grande amor: Chico Buarque a todo vapor e no último volume...